x Logo Dr. Visao

Dr. Visão

Guia To Go

12 h 44

Quarta-feira, 23 08 2017

GUIA DE NOTÍCIAS

NOTÍCIA


12/12/2006

Cerca de 3% das crianças portuguesas têm estrabismo


"Há uma quantidade de doenças do foro oftalmológico que afectam as crianças que são comuns aos adultos, mas há outras, como o estrabismo, o glaucoma congénito ou a retinopatia da prematuridade, que têm uma incidência especial na infância", explica o Dr. José Carlos Mesquita, oftalmologista e chefe do Serviço de Oftalmologia do Hospital de Dona Estefânia, que salienta ser uma patologia que "afecta mais ou menos 3% das crianças".

O estrabismo é um defeito no alinhamento dos olhos, que deixam de ver simultaneamente. Enquanto um olho fixa em frente, o outro desvia-se para dentro ou para fora, para cima ou para baixo. "Quando um olho desalinha, provoca uma alteração motora que impede o desenvolvimento normal da visão, originando sequelas sensoriais graves, como as ambliopias (baixa de visão do olho desviado) e supressão (perda de visão simultânea)», diz este oftalmologista.

O estrabismo costuma iniciar-se na infância, mas também pode aparecer nos adultos. "A criança estrábica tem um desenvolvimento e uma vida perfeitamente normais, apesar de não ter a visão binocular. O problema é que há trabalhos que necessitam de uma visão de conjunto e de relevo que não é possível realizar em visão monocular", sustenta o especialista. A criança, ao contrário do adulto, está a desenvolver a sua visão e, quando um olho começa a desviar, há mecanismos cerebrais que impedem o aparecimento de diplopia (visão dupla). Assim, a criança não vê duas imagens do mesmo objecto, porque a imagem do olho desviado é suprimida. Se o estrabismo aparece no adulto, "a diplopia é a uma regra".

O estrabismo não tem como única consequência o desalinhamento dos olhos, e, regra geral, leva à diminuição da acuidade visual do olho que não foca os objectos. Isto ocorre porque a criança utiliza o olho que vê bem e o outro não desenvolve uma visão normal. A esta baixa de visão chama-se ambliopia funcional, que também pode existir sem estrabismo, em casos de defeitos de refracção não corrigidos. Mas "o estrabismo é a principal causa da ambliopia", revela José Carlos Mesquita.

Na perspectiva deste oftalmologista, "a primeira coisa que se deve fazer é a observação dos dois olhos para perceber em que estado estão. Após a avaliação completa, e identificado o tipo de estrabismo, segue-se um plano de recuperação". Este plano de tratamento começa por corrigir a refracção (prescrever óculos) e tratar a ambliopia. Depois, "temos de obrigar o olho que vê mal a funcionar melhor, tapando o olho saudável" é, segundo este especialista, "o método mais eficaz no tratamento das ambliopias".

A oclusão serve apenas para recuperar a visão e não o alinhamento dos olhos. "Uma vez recuperada a visão, o olho fica ainda desalinhado e, se nós abandonarmos esta criança, passado pouco tempo fica a ver mal outra vez", sustenta José Carlos Mesquita, que acrescenta: "Em alguns casos, o alinhamento restabelece-se com a recuperação da visão, mas, nos casos em que isto não acontece, faz-se uma intervenção cirúrgica, actuando-se ao nível dos músculos extra-oculares que fazem movimentar os olhos, enfraquecendo-os ou reforçando-os, conforme os casos.

" Nem sempre é necessária a intervenção cirúrgica, pois há casos em que basta a aplicação de uma injecção de toxina botulínica directamente nos músculos, sob anestesia geral, para alterar a relação de forças entre eles e restabelecer o paralelismo dos olhos. Seguindo-se o tratamento, normalmente, a partir dos 7 ou 8 anos a visão está estabelecida, mas há casos em que aos 3/4 anos o problema já está resolvido. "Depois, a criança fica a ser observada uma ou duas vezes por ano, durante a sua escolaridade, para corrigir eventuais defeitos que podem surgir com o crescimento", afirma este especialista em Oftalmologia Pediátrica.

Agencias - Portaloptico.com

  • Kati_Bime - 17/01/2012

    sex dating in new stanton pennsylvania muture men xxx anna nicole smith getting fucked porn women with tattos having sex male porn star in bondage asleep lesbian twin brothers having gay sex eric porn pregnancy sex tests 101 sex positions illustrated coed lockerroom xxx hands over clothes sex chrystal sex toy girls having sex with hor porn e-gold college girls wild sex free ass to mouth galleries nice ass strip tease lesbian x rated video free full lenght adult videos

Este Portal é um veículo de conteúdo, informação e divulgação sobre assuntos relacionados a oftalmologia (IMPRENSA), todo conteúdo veiculado é de responsabilidade de seus autores. NUNCA deixe de consultar o seu médico oftalmologista.
TEMAS
Portal DR. VISÃO - Todos os direitos reservados - ® 2000 - 2011