x Logo Dr. Visao

Dr. Visão

Guia To Go

14 h 37

Domingo, 23 Abril 2017

GUIA DE NOTÍCIAS

NOTÍCIA


20/10/2006

Mais visão transforma ambiente escolar


Em sua terceira edição projeto social ganha software de triagem visual que faz do professor um agente multiplicador de saúde.

Iniciativa da Fundação Penido Burnier, braço social do Instituto Penido Burnier, o projeto social, Mais Visão, acontece anualmente desde 2004. A proposta é combater a evasão escolar que tem como maior causa a baixa visão, oferecendo às crianças em início do processo de alfabetização consultas oftalmológicas e óculos gratuitos.que são fornecidos pela Tecnol (armações) e Transitions (lentes fotossensíveis) e Instituo Varilux da Visão (lentes oftálmicas).

Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) demonstram que os erros refrativos (miopia, astigmatismo e hipermetropia) acometem 153 milhões de pessoas no mundo, são importante causa da deficiência visual e respondem pela exclusão social de 13 milhões de crianças com idade entre 5 e 15 anos e de 43 milhões de adultos do mercado de trabalho.

Para quebrar este ciclo, o projeto social está sendo realizado em parceria com a Prefeitura Municipal de Campinas. De acordo com o diretor médico do Mais Visão, Leôncio Queiroz Neto, a escola é um ambiente propício para a prática da educação em saúde, já que o educador é o mais adequado agente multiplicador de hábitos saudáveis entre seus alunos.

Este ano 27 mil crianças foram triadas pelos professores a partir de um software desenvolvido pela equipe da Fundação Penido e através de Cartas de Snellen impressas. Queiroz Neto afirma que o software foi desenvolvido para tornar a triagem visual nas escolas um processo eletivo de prevenção à saúde ocular e está disponível para todas as instituições de ensino do país no site do hospital www.penidoburnier,com.br.

Desde sua primeira edição, o Mais visão já beneficiou 34,6 mil crianças e nesteano pela primeira vez se estendeu às crianças da pré-escola. Isso porque, explica Queiroz Neto, em 2005 a incidência de ambliopia (olho preguiçoso) atingiu 10% dos participantes contra os 4% previstos pelo CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia). Para prevenir o maior comprometimento da visão na idade adulta, comenta, quanto antes for iniciado o tratamento com a oclusão do olho de maior visão, melhor é o resultado.

Consulta Médica Integra Saúde e Entretenimento

Das 27 mil crianças triadas no Mais Visão 3,37 mil (12,5%) não enxergam bem.

Entre as crianças do ensino fundamental triadas pelos professores e retriadas simultaneamente a atividades culturais pela equipe da Fundação Penido Burnier na Estação Cultura de Campinas, 574 foram encaminhadas para exames médicos.

As consultas aconteceram em clima de entretenimento. No estacionamento do Instituto Penido Burnier foram montados brinquedos para que as crianças pudessem se divertir enquanto aguardavam o atendimento médico.

O entretenimento contou com o patrocínio da Les Coussins, empresa especializada na confecção de almofadas decorativas que desde sua fundação pela designer, Fátima Queiroz, vem realizando trabalhos pontuais de inclusão social junto a grupos e cooperativas de artesãos.

Quase metade dos estudantes, 245, necessitam usar óculos. Segundo Queiroz Neto a maioria nunca teve acesso à correção visual, embora em média os vícios de refração diagnosticados tenham ficado acima de 5 graus com alguns casos de até 11 graus. A maior incidência foi de hipermetropia (dificuldade de enxergar de perto) que responde por 39% dos vícios de refração, seguida de miopia (dificuldade de enxergar de longe) que atingiu 36% das crianças e 25% de astigmatismo (dificuldade de foco por irregularidade da córnea).

FALTA PREVENÇÃO EM SAÚDE VISUAL

Nas consultas do ensino fundamental foram diagnosticados 12 casos de doenças congênitas, sendo 4 cataratas, 2 retinopatias da prematuridade, 3 casos de toxoplasmose e 3 degenerações retinianas com atrofia do nervo óptico. O Teste do Olhinho detecta tumores oculares, catarata e a leucocoria, menina do olho branca. Queiroz Neto explica que a obrigatoriedade do exame no Brasil é o primeiro passo para uma política efetiva de prevenção da saúde ocular.

O Teste do Olhinho, ressalta, é feito nas primeiras horas de vida com a emissão de uma luz vermelha na pupila do recém-nascido, por meio de um oftalmoscópio. Nos olhos saudáveis esta luz é contínua. Em portadores de catarata, leucocoria ou tumor ocorre ausência de reflexo ou assimetria. Além disso, enfatiza, o exame chama a atenção para outros fatores como o estrabismo congênito, sendo fundamental para reduzir a deficiência visual.

Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) demonstram que as alterações congênitas atingem 3% dos bebes no mundo. Segundo o especialista a catarata é uma das mais comuns anomalias infantis que responde entre 10 e 39% da cegueira infantil.

AMBLIOPIA É AINDA MAIOR

A triagem também apontou que das 22 mil crianças da pré-escola, 2,8 mil têm problemas na visão. Dessas 840 (30%) são portadoras de diferença importante de acuidade visual entre os olhos que caracteriza a ambliopia. O tratamento preventivo pode evitar a cegueira monocular em 60% dos casos, destaca Queiroz Neto, O especialista ressalta que no Brasil 4 milhões de pessoas têm deficiência visual que é a acuidade no melhor olho entre 20/60 e 20/400. O tratamento preventivo da ambliopia pode evitar a cegueira monocular em 60% dos casos, destaca. O atendimento da pré-escola foi iniciado em outubro e vai se estender por doze meses, sendo que a cada mês 240 crianças recebem atendimento médico.

A entrega dos 245 óculos do ensino fundamental acontece no anfiteatro do Instituto Penido Burnier, logo no início de novembro, em data a ser definida.

Os óculos das crianças da pré-escola começam a ser entregues na volta às aulas e deve seguir um cronograma trimestral conforme as consultas forem sendo realizadas.

PESQUISA INÉDITA DEMONSTRA RELAÇÃO ENTRE VISÃO E APRENDIZADO

O Mais Visão é o primeiro projeto social no Brasil a levantar indicadores sobre a relação entre a visão e o aprendizado. A pesquisa foi desenvolvida pela Secretaria de Educação de Campinas no primeiro semestre do ano letivo 2006 com os 118 alunos que receberam óculos no projeto realizado no ano passado. Levou em conta não só a performance em sala de aula como também a percepção dos pais.

Para os professores, após cuidados médicos e uso de óculos 50% das crianças tiveram melhora no rendimento escolar. A avaliação do corpo docente também mostra que 51,1% conseguem desenvolver atividades que antes não conseguiam, 57% concentram-se mais, 49% finalizam tarefas que antes não terminavam e 36,2% estão menos agitada.

Para os pais 88% têm maior interesse pelos estudos e concentram-se mais nas tarefas. Eles também afirmam que as crianças que sentiam dor de cabeça pararam de se queixar, 68% não se incomodam em usar óculos e que 91% conseguem realizar tarefas que antes não conseguiam.

LDC Comunicação

  • Seu nome

    Seu Comentário

    Seja o primeiro a comentar esta notícia, CLIQUE EM COMENTAR

Este Portal é um veículo de conteúdo, informação e divulgação sobre assuntos relacionados a oftalmologia (IMPRENSA), todo conteúdo veiculado é de responsabilidade de seus autores. NUNCA deixe de consultar o seu médico oftalmologista.
TEMAS
Portal DR. VISÃO - Todos os direitos reservados - ® 2000 - 2011